Logo do S2Station
Background Padrão do Topo

Marrocos: O que fazer na Medina de Marrakech?

Escrito por -

Na frente de dois portões do Palácio el Badi, em Marrakech.
Um roteiro com dicas sobre o que fazer na Medina de Marrakech. Visitar palácios como o Palácio da Bahia e o el Badi; jardins como o Le Jardin Secret; o Museu de Marrakech e arrastar o sari na Jamaa el-Fna.

Sobre a Medina

O que é a Medina?

A Medina (ou Almedina) de Marrakech é a porção antiga da cidade cercada por um muro. Boa parte dela é preservada, então, seja hospedando-se nela ou somente a visitando, terá uma autêntica experiência árabe. As grandes cidades do Marrocos possuem medinas, como Fez ou Casablanca, e elas são semelhantes entre si.

Acontece que o primeiro contato que você tem com as ruas loucas da Medina de Marrakech é: que loucura é essa, minha gente? Ruas estreitas labirínticas em que dificilmente passam carros, comerciantes por todos os cantos vendendo artigos árabes, pessoas querendo te dar golpe, gatos por todo lado, motos surgindo do nada e ziguezagueando as pessoas, deixando um rastro de poluição que ali se abafa, gatos se reproduzindo, mesquitas aqui e ali, mais gatos. O caos organizado que, de alguma forma, funciona. 

Não é para todo mundo. Mas, olha, impressiona. O coração da Medina pulsa forte ali, e pulsa em um ritmo cultural que, para nós, é muito diferente. O mesmo nível da estranheza é o do desconforto e o da admiração. Arrastar o sari pela Medina causa uma mistura de sentimentos que, pra entender, só estando lá!



Não deixe de ver o vídeo acima. É um vídeo musical sobre nossa viagem ao Marrocos, e tem muita dança e muita animação! Só são 4 minutos!

Espero que este post facilite a sua visita. 
Dica: Os caminhos pela Medina são como labirintos e, portanto, um pouco complicados, mesmo com o GPS. A 4g do Marrocos foi ótima, mas, mesmo assim, dado que é fácil e perder lá, vale a pena baixar os mapas para uso offline no Google Maps.
Novamente, agradecemos à Sílvia e ao Manoel, amigos que nos acompanharam durante essa viagem, e estão em algumas fotos do blog também!

Para um guia completo de nossos 5 dias no Marrocos, com inúmeras dicas e roteiro descrevendo o que foi feito a cada dia, visite o nosso post Marrakech (Marrocos): Dias e Roteiro de 5 dias.

Visitado em Dezembro de 2017.

Considerações sobre a segurança

No centro da Medina, no geral você pode ficar tranquilo, pois nada há de acontecer. Andamos o tempo todo com uma câmera Canon t6 à vista no meu pescoço e com uma mochila de lentes, e não senti que deveria guardá-la. Furtos são raros e qualquer outro tipo de delito mais grave é mais incomum ainda! Porém, afastando-nos um pouco da área turística da Medina, vários habitantes locais nos avisaram que seria melhor guardar o celular no bolso.

Durante a noite, pode ser que a Medina pareça uma atração de fantasmas. Ruas estreitas com alguns poucos gatos pingados (e gatos felinos, também). Se fosse no Brasil, seria assalto na certa, isso na melhor as hipóteses! Quando chegamos na nossa primeira noite, quase morremos de medo. Mas, depois, notamos que é bem tranquilo e que não há razões para preocupação.

Atrações da Medina

Palácios da Medina

Palácio da Bahia

Tempo gasto no local: 1 hora
Preço: 10 dirhams, ~ 4 reais
Site oficial: http://www.palais-bahia.com/en/


No primeiro dia em Marrakech, nosso primeiro passeio foi o Palácio da Bahia. Para minha enorme infelicidade, não encontramos lá uma baiana vendendo aquele acarajé engordurado gostoso! Vê se pode? Senti-me ludibriado, enganado! Oxe, é o que se espera de um Palácio da Bahia! Acha isso safadeza? 

Ocorre que "Bahia", em árabe, significa "brilho", e é por isso que o palácio se chama assim! São 8.000m² e com 150 subdivisões. Daí, já dá pra notar que é bem grande. 

Saiba que o palácio, construído no final do século XIX, hospedou o harém de um tal de Ahmed ben Musa. O cara tinha 4 esposas e 24 concubinas. Pra dar conta de um negócio desses, suspeito, mas só suspeito, que deva doer, seja no bolso, na alma ou sabe-se lá onde. Mas não doer tanto quanto doeu para os eunucos que ali cuidavam delas, claro, mas, ouch! 

Brincadeiras à parte, o palácio, construído no século retrasado, é de uma beleza indescritível. Assim que você entra nas salas, nota o nível de detalhes impressionante, principalmente nos tetos. São inúmeros pátios, muito bem cuidados e com vários jardins, porém o que mais nos deixou embasbacados foi o pátio principal. É um tanto belo com suas tonalidades que variam do branco ao azul e até o verde, com suas fontes espalhadas pelo seu centro.

Liliam e Sílvia começaram a dançar danças marroquinas ali. Pensei, "mas não é haram?". Ora, o lugar foi um harém, a palavra certa para isso definitivamente é com uma letra trocada! Então, por que seria errado dançar ali? Haha!

Palácio el Badi

Tempo gasto no local: 2h30min (adoramos e tiramos muitas fotos, mas dá pra explorar mais rápido)
Preço: 20 dirhams (~ 8 reais) + 10 dirhams extras para ver um mimbar (~ 4 reais)
Site oficial: http://www.palais-el-badi.com/en/


O Palácio El Badi, por sua vez, significa "o palácio do incomparável". Realmente, não dá pra comparar com nada por lá na Medina, é realmente incrível. Construído pelo sultão Ahmed al-Mansur Dhahbi para comemorar a vitória contra os portugueses na Batalha dos Três Reis, o palácio tem seus 500 anos desde sua construção e está, atualmente, em ruínas.


Mas não se engane: está tudo muito bem preservado. Pessoalmente, foi minha atração favorita na Medina. E o que tem para ver lá?
  • Um pátio principal com um tanque, onde um dia houve uma fonte, e jardins de laranjeiras. Tem também umas portas grandes um tanto fotogênicas, gostamos! 
  • Há também umas passagens subterrâneas que, no passado, serviram de prisões, hoje servem de museu, contendo quadros contando histórias do lugar. 
  • Uma sala com um mimbar da mesquita de Koutoubia. É tipo... uma cadeira bem alta com uma escada. Mas vale lembrar que se paga 10 dirhams extras para ter acesso a essa sala. É uma sala pequena e só tem o mimbar mesmo. Não achamos tão interessante para valer o preço extra, apesar de barato!
  • Um terraço, onde se pode ter uma visão da cidade, das montanhas (se o dia estiver bom), e, também, da torre da mesquita Koutoubia.

Museus e Jardins na Medina

Museu de Marrakech

Tempo gasto no local: 1h30min
Preço: 50 dirhams (~ 16 reais)


Originalmente, o Museu de Marrakech foi o Palácio Dar Menebhi. Então é muito semelhante aos outros palácios, com a diferença de que possui diversos artigos típicos de um museu mesmo: pinturas, vasos, pinturas... ehrm... bem, não tem muita coisa lá. Pra ser sincero, achamos bem fraco. Tô até com dificuldade de escrever essa sessão porque parecia meio vazio, haha! Inclusive, recomendamos que seja visto antes de conhecer o Palácio da Bahia ou o El Badi, dado que este é mais simples.

Mas uma coisa compensou: que foi o salão principal! Originalmente era um pátio, mas, depois, foi fechado, e ainda botaram um lustre chiquerérrimo!

Nossos nomes escritos em árabe, tal como escritos por um pintor no Museu de Marrakech.
Nossos nomes em árabe!
Ah, sim, e também tinha um artista que se propunha a vender um desenho com nossos nomes escritos em árabe. Não era caro, então fizemos. Valeu a pena!

Le Jardin Secret

Tempo no local: 40 minutos
Preço: 30 dirhams (~ 10 reais) para visitar os jardins, 50 dirhams (~ 16 reais) para visitar um terraço
Site oficial: https://www.lejardinsecretmarrakech.com/en


O Jardim Secreto em Marrakech é, antes de mais nada, secreto mesmo. Sério, plotamos com o Google Maps, mas, mesmo assim, ficamos um tempão tentando encontrar, foi um parto! Tanto que, quando a gente chegou na porta dele, nós nem entramos, fomos comer em um restaurante próximo.

Pelo menos, quando entramos, o que vimos era super fofo. Um oasis no meio da Medina, mesmo. Jardim muito bem cuidado, e com construções típicas do Marrocos que, em meio ao verde, ficam ainda mais bonitas! É um lugar para se sentir em paz, bem diferente da loucura da Medina. Liliam até parou para deitar em um dos bancos e para meditar. Foi ótimo!

São duas partes: um jardim exótico, com plantas de várias partes do mundo; e um jardim islâmico, restaurado. Pra ser bastante sincero, não somos grandes especialistas em plantas e nem notamos diferença, mas achamos bonito. Compensa a visita!

Tem um café lá dentro, também, mas não experimentamos nada por lá.

Extra

Não visitamos, mas uma outra atração que recomendam muito são as Tumbas Saadianas. Soubemos que não poderíamos tirar fotos lá e nem quisemos visitar. Mentira, é porque não nos sobrou tempo mesmo, hahaha!

Praça Jamaa el-Fna

Conhecendo a praça

A Praça Jamaa el-Fna, em Marrakech, com a mesquita Koutoubia ao fundo.
A praça Jamaa el-Fna. Louca como ela é.
Senhoras e senhores, esta é uma praça muito louca. Sim, não há definição melhor do que "muito louca". É uma praça bem grande e muito louca que fica no centro da Medina. Se a Medina já é uma bagunça, essa praça é tipo um furacão em forma de lugar! E o que você vai encontrar lá? Muita coisa!
  • Encantadores de cobras. Eles ficam sentados e fazendo a cobra subir. Tente tirar uma foto e eles vão querer cobrar de você por ela. Você pode também enrolar uma delas no pescoço e tirar uma foto.
  • Macacos. É muito possível que você esteja andando tranquilamente na praça, quando, DO NADA, você perceba um macaco em cima de você. Como ninjas árabes, eles colocam não só um macaco, mas, às vezes, dois, e foi o que fizeram comigo. Os caras, inclusive, já estavam tirando o celular do bolso da Liliam, prontos para tirarem uma foto de mim com os macacos. Tudo isso para, depois, cobrarem: 300 dihrans (~100 reais). É um golpe! Fingi que não tinha entendido, dei 20 dirhans e saí correndo!
  • Mulheres querendo fazer pintura nas suas mãos. Elas insistem, dizendo que poderiam fazer uma amostra grátis. Quando você vê, a mão tá toda pintada já, e ela tá te cobrando pelo serviço. Liliam passou por isso e também saiu correndo, hahahaha! (nossa tática). Melhor tomar cuidado com isso, pois algumas pessoas se mostram alérgicas à tinta.
  • Durante a noite, são diversas barraquinhas vendendo comidas de todos os tipos. Não tivemos coragem de comer nada, mas o Manoel, amigo que estava com a gente, comeu e não passou mal e nem morreu! Também tem gente dançando e fazendo rodinhas de música. Porém, a coisa mais esquisita que vimos, definitivamente, foi uma pescaria de garrafas pet. True story.
Pra ser bastante sincero, não gostei muito da praça não, achei ela muito louca para o meu gosto. Esteja preparado ao passar por lá. Mesmo assim, passamos por lá várias vezes, afinal de contas era caminho.

Mesquita Koutoubia


A mesquita Koutoubia pode ser vista da praça Jamaa el-Fna, e, andando um pouco, você consegue chegar até ela. É muito bela, principalmente ao entardecer e durante a noite, em que fica iluminada.  Você pode dar uma volta ao redor dela e é algo que vale a pena, contudo, saiba que, como quase todas as mesquitas do Marrocos, você não pode entrar se não for muçulmano. Pois é. Inclusive, nem tente dar aquela espiadinha como se fosse um Big Brother caso uma das portas estejam abertas, ou será repreendido! De toda forma, passe na frente dela, é bem legal.

Também sugiro fortemente não dar uma de Assassin's Creed. Não escale a mesquita, e, se mesmo assim você ainda insistir em fazer isso, lá de cima não tente pular em um monte de feno, pois isso pode causar a morte, a não ser que você seja Altaïr Ibn-la Ahad. Observe que este blog te dá dicas importantes e relevantes para sobrevivência no exterior.

Uma árvore de painéis solares ao lado da Mesquita Koutoubia, em Marrakech.
A tal da árvore que serve para captar energia e salvar as pessoas da situação pós-apocalíptica de estar sem bateria no celular.
Uma coisa que achamos bacana é que, próximo à mesquita, existem umas "árvores metálicas" com painéis solares e tomadas para você recarregar seu celular. Engenhoso, sobretudo nesse lugar que tem tanto sol!

Pôr-do-sol em um terraço

Um pôr-do-sol na Jamaa el-Fna, tal como visto do Café Restaurant Argana.
O tal do entardecer na Jamaa el-Fna.
A melhor coisa que você vai fazer na Jamaa el-Fna é subir em um terraço e observar o pôr-do-sol de lá. É divino. Você pode explorar e escolher um dentre os inúmeros estabelecimentos. Escolhemos o Café Restaurant Argana. A visão que tivemos é a da foto acima. Não precisa nem falar que foi incrível, certo?

Ah, e, logo após a pôr-do-sol, tem uma reza noturna. É interessante porque a praça, que é movimentadíssima, com muita poluição sonora e gente, para quase que completamente em respeito ao islão. Afinal de contas, orar cinco vezes durante o dia é um dos cinco pilares do islão e deve ser respeitado.

Souks

Uma roupa de berbere feminina sendo vendida em um souk na Medina de Marrakech.
Tentaram nos vender essa roupa de Berbere feminina de tudo quanto era jeito, haha!
Pela Medina, você encontrará inúmeros mercadinhos, os quais chamamos de Souks. Neles, você encontrará uma variedade de roupas ao estilo árabe e de souvenirs para comprar, tais como vasos, chaleiras, lamparinas, ornamentos para serem colocados na parede, lembrancinhas, e tudo o que puder imaginar. Não precisa de muito esforço e você se esbarrará em um deles.

Restaurantes na Medina

Marrocos não é o melhor lugar para se comer, devo dizer, mas alguns restaurantes nos chamaram a atenção. Ao menos pode preparar teu bolso, pois não será necessário tirar nenhum escorpião dele: é tudo um tanto barato!

Quanto a fast foods, a única rede que encontramos na Medina foi a KFC.

Uma coisa que queria enfatizar é que quase todo restaurante tinha tomadas próximas das mesas para recarregar os celulares. Lembrando que celular e internet estão sempre na base da pirâmide de Maslow.

Corner Café

Um Kebab de Carne servido no restaurante Corner Café, em Marrakech.
Kebab de carne que experimentamos. Gostoso!
Foi o primeiro restaurante em que entramos. É, no momento em que escrevo esse post, o 3º lugar no TripAdvisor em Marrakech. Quando se olha para ele, nota-se que é bem pequeno e simples, porém resolvemos comer lá mesmo. E, para a nossa surpresa, realmente foi muito bom. Nós pedimos kebabs acompanhados de batatas fritas, que estavam deliciosos! Recomendamos!

Kosy Bar

Este restaurante fica em um terraço na Place des Ferblantiers, uma bela praça, já um pouco distante da Jamaa el-Fna, porém bem próxima do Palácio el Badi. A visão de lá de cima é ótima. 

Não quisemos inovar e pedimos uma pizza de quatro queijos, que estava muito boa. Não é que nem as pizzas muito loucas que a gente vê aqui pelo Brasil, é mais tradicional, mas é boa também. E tem um gostinho de comida árabe no tempero. 

Apesar da bela vista, o restaurante tinha placas dizendo que não deveríamos tirar foto por conta de vizinhanças que reclamavam de privacidade, então ficamos devendo essa.

Este foi um dos únicos estabelecimentos da viagem a aceitar cartão de crédito. A gente sempre perguntava, e deu até susto ao receber uma resposta positiva, hahaha! Coisa raríssima por lá.

Café Árabe

Uma lasanha servida no restaurante Café Árabe, em Marrakech.
A lasanha do Café Árabe.
Este restaurante era próximo do Le Jardin Secret. O restaurante tem vários ambientes, todos de muito bom gosto. Sentamos no terraço, mas, diferente dos outros, o terraço aqui não tem uma visão muito bonita, mas é bem arrumadinho. Nele, pegamos uma lasanha à bolonhesa. Boa, agradável. Mas o destaque vai para uma entradinha grátis de azeitonas com um molho árabe - coisa simples, porém a gente devorou.

Outro destaque vai para o banheiro, muito bem cuidado, e ótimo para dar aquela cagadinha básica.


E este foi o nosso post sobre a Medina! Espero que tenham gostado, e, caso tenham alguma dúvida, podem deixá-la nos comentários!

Logo da S2Station