Logo do S2Station
Background Padrão do Topo

Salar de Tara e Monjes de la Pacana no Deserto do Atacama, Chile

Escrito por -

Relato do tour no Deserto do Atacama até o Salar de Tara, passando pela Reserva Nacional Los Flamencos, onde ficam os Monjes de la Pacana. Paisagens fenomenais!

Queimando a cara no salar

Fabuloso. Fantástico. Que desempenho. O que falar desse Salar de Tara que mal conheci e já considero pacas? Para quem tem uma tara muito louca pela natureza, já saiba que é um passeio mais do que obrigatório! Aliás, tão obrigatório assim, mas que quase não fizemos, não fosse uma falha de comunicação de nossa agência de turismo, que nos fez ter de trocar o nosso cronograma — um erro que veio para o bem, pois faríamos um passeio bem menos interessante do que esse!

O Salar de Tara é um.. salar. Quando se pensa em Salar, a gente já imagina o de Uyuni, com aquela paisagem de solo branco e que tende ao infinito. Acontece que nem todos são assim. Este tem água, e, como todo salar na região, lindos flamingos rosas fofinhos (que fogem se você tentar chegar perto, então apreciem de longe)! Não é à toa que fica dentro da Reserva Nacional Los Flamencos, onde também ficam os Monjes de la Pacana, igualmente incríveis.

Pela Reserva Nacional Los Flamencos, as paisagens são assim: cabulosas!

O salar fica a 4.300m de altitude, e é o mais alto do Atacama, então, já sabe, a chance do soroche — o mal de altitide — é alta. O mais importante é seguir as recomendações do Dollynho: beber muito líquido. Chá de coca e tal ajuda, mas o mais importante é beber água, está certo? Pode encher o bucho de água, sim!

Também esteja em mente que é um tour que dura o dia inteiro, portanto, é cansativo pra caramba! Fica a 150km de San Pedro de Atacama e tem uma longa porção off-road (na terra mesmo, sem estrada ou qualquer demarcação) no meio do deserto, praticamente no meio do NADA! Aliás, tenha em mente que o passeio não é só pelo destino final, pois existem inúmeras paradas interessantes. Um pouco repetitivas, talvez, mas compensa. Muito marrom-cocô meeesmo!



Não deixe de ver esse vídeo curtinho, de 3 minutos, porém ao mesmo tempo resumido e completo sobre esse tour. Ao invés de ler o post, você pode tranquilamente ver o vídeo. Experimente!

Mini-Guia

Pode ir por conta própria?

Não. Como existe uma longa porção off-road na terra mesmo, sem estrada ou qualquer demarcação, as chances são muito grandes de se perder e ficar pra sempre no meio do deserto, falecendo brutalmente de desidratação e de hipotermia. Então, não invente.

Quanto custa?

Fizemos por meio de tour e esses foram os valores:
  • Agência: Flamingo
  • Tour: 50.000 CLP
  • Entrada: gratuita
  • Inclui: Café da manhã e Almoço

O que levar?

  • Protetor solar
  • Bastante água, para evitar o soroche, o mal de altitude
  • Algum lanche para comer no meio do caminho
  • Calçados confortáveis para andar.
  • Roupas de frio, pois é bem alto.

Nossa experiência

Buscaram-nos no hotel e seguimos direto para o Salar.

Mirante do Licancabur

Paramos, primeiro, no meio da estrada, em um lugar para tomar café da manhã observando o grandioso vulcão Licancabur, que, para os antepassados, era, basicamente, deus.

Um deus para os antigos. E dá pra entender: é enorme, é imponente!

Embora o Licancabur esteja quase omnipresente no início dos passeios, por ser visto de quase todo lugar em San Pedro de Atacama e região, com certeza foi o mais belo lugar para vislumbrá-lo. Essa matinha dourada e essa majestuosidade ao fundo... Perfeito.

Aproveitamos para fazer um monte de vídeos, haha! Já viu o vídeo lá em cima no post? Se não viu, veja clicando aqui!

Reserva Nacional Los Flamencos

Houve uma parada na entrada da Reserva Nacional Los Flamencos, de onde pudemos observar os Monjes de La Pacana bem de longe!

A primeira parada na Reserva Nacional Los Flamencos.

Monjes de la Pacana

A seguir, o passeio parou nos Monjes de la Pacama, dentro da Reserva, cheio de pedras bem verticais, de origem vulcânica, e esculpidas por erosão do vento durante milhares de anos. Coisa que demorou bastante tempo pra se formar!

Uma das pedras nos Monjes de la Pacana. Isso é uma piroca, isso sim.

São chamados de "monjes" porque as pedras se assemelham muito a monges. Dado o formato fálico delas, e ainda mais com uma base protuberante, há mentes doentias que as comparam com outra coisa. Este blog, que é sério e lida com os assuntos com o maior profissionalismo possivel apoia a interpretação dessas pedras como monges mesmo.

Banheiro Inca

O guia falou que teria um banheiro inca logo mais. Banheiro inca, que negócio é esse? Foi o que pensei. Chegamos e, bem... São básicamente pedras no meio do deserto, com nada além de terra em volta, em que você se esconde pra dar aquela mijadinha básica, enquanto o resto do grupo usa o mesmo espaço, haha! Não me imagino fazendo o número 2 ali, a não ser em momento de grande necessidade e de inevitabilidade, já que nem sempre escolhemos isso. Mas seria incrivelmente constrangedor.


De um lado da pedra era o feminino e de outro o masculino. Bem tecnológico.

Só senti falta de um papel. Nesse caso, um matinho costuma ser mais útil.
Dica: não cumprimente com as mãos os seus colegas de tour a partir desse momento.

A lua observa você fazendo xixi atrás das pedras.

Uma longa viagem no meio do nada

O que se segue a seguir é uma longa viagem pra lá de monótona, totalmente off-road, sem nenhuma sinalização, e no meio do deserto. Na verdade, a única sinalização seriam as marcas de pneu dos inúmeros carros que passam por ali. As marcas não vão embora porque chove pouco. E a sensação foi de solidão, porque não tinha uma alma ali além de nós! Muito louco.

Esse caminho é basicamente a mesma coisa até o Salar. Nossa sugestão é aproveitar pra dormir.

Salar de Tara

E, finalmente, a 4.300m do nível do mar, o tal do Salar de Tara. Ao lado, no caminho, as Catedrais do Salar de Tara, de que a gente ridículamente não tirou foto alguma, uma vergonha total para esses blogueiros, sem dúvidas.

As Cadedrais do Salar.

Mas, bem, o Salar de Tara é uma coisa bonita mesmo, e enorme. Incrível que, durante todo o caminho, a cor predominante foi o marrom cabuloso. Aqui, a paisagem toma tonalidades do vermelho, azul, verde, e até do rosa dos flamingos que habitam o lugar.

Flamingos fofíneos.

O guia foi explicando que o ideal era fazer a caminhada sem fazer muito barulho, para não espantá-los. Eu, que sou meio surdo, tenho que tomar cuidado mesmo, porque minha voz sai alta sem eu querer, é uma tragédia. Os bichinhos voariam pra longe e só restariam ali turistas frustrados e, evidentemente, furiosos, querendo, óbvio, me assassinar de maneira brutal. Liliam foi tirando foto dos bichinhos com a lente de zoom, à distância. Era a última vez que veríamos flamingos naquela trip, e já tínhamos visto várias vezes, contudo era algo de que não nos cansávamos.

Nós dois e o tal do Salar de Tara.

Após uma curta caminhada, foi-nos oferecido um almoço com a paisagem do Salar ao fundo. O almoço consistia em tacos que a gente mesmo montava com base em ingredientes fornecidos. Bem gostoso, como tudo que comemos no Chile.

Depois disso, curtimos um pouco a paisagem, e já era hora de ir embora. Não sem antes ir ao banheiro químico no local. Era pago e o dono do banheiro fornecia gentilmente uma folha de papel higiênico com consistência de lixa, ideal para limpar a bunda. Minha recomendação é, antes da viagem, já ir treinando apneia, pois o melhor nesse banheiro é entrar com o nariz tampado, dada a agradabilíssima essência de bosta vencida naturalmente borrifada nele. Se for mulher, já se espera, também, um certificado de curso de equilibrista.

Voltamos. ¡Adiós, Salar de Tara! Não deixe de ver o nosso vídeo no canal do YouTube sobre esse lugar!

A volta

A volta foi quase direta, não fosse uma pequena parada em mais um mirante do imponente Licancabur. Aproveite para tirar fotos, e será o fim do tour.

Outros posts no blog

Confira também posts de outros tours no Deserto do Atacama aqui no nosso blog, todos eles bem documentados e com um vídeo bacana dentro de cada um também! Veja abaixo!

Vale do Arco-Íris e Yerbas Buenas
Passeio de meio dia por um vale bem coloridinho e por um sítio com petroglifos, ou seja, desenhos em pedras... milenares!
Gêiseres de Tatio
Água borbulhante vinda da terra e um frio de lascar. O quão massa isso pode ser? Confira o post!
Vinícola em Toconao
Por mais que esteja num deserto, há vinícolas em Atacama. Conheça um tour de Vinhos em Toconao!
Termas de Puritama
Águas pra lá de quentinhas para relaxar gostoso em uma espécie de oásis no meio do deserto! Confira o nosso post!

Vídeos do Atacama no canal do YouTube


Não deixe de ver também os nossos vídeos no canal do YouTube sobre o Deserto do Atacama! Logo acima vocês podem conferir uma playlist com todos eles, tocando em sequência! São vídeos curtos, porém densos em informações, e vê-los faz com que saiba todo o necessário sobre os lugares. Confira!
Logo da S2Station