Logo do S2Station
Background Padrão do Topo

Grand Canyon West e Hoover Dam: Bate-e-volta de Las Vegas

Escrito por -

Bate-e-volta de Las Vegas pelo Grand Canyon West, a área do West Rim do Grand Canyon, de propriedade dos índios Hualapai, incluindo o Eagle Point e o Guano Point, e também a Hoover Dam, incluindo o mirante do Lake Mead.

Faz sentido se chamar "Grand" Canyon!

Quem nunca ouviu falar do Grand Canyon? Visitamos essa maravilha geológica por onde passa o Rio Colorado e podemos garantir: é maravilhoso. Você se sente uma formiga mesmo. E se você for uma formiga, vai se sentir um elétron! E é uma atração absolutamente imperdível para quem estiver em Las Vegas, é uma boa opção de natureza e distração da cidade vibrante e cheia de luzes, além de ser uma das sete maravilhas naturais do mundo! Largue o pôquer e vá respirar ar puro!

Para que não tá muito a fim de gastar horas e horas dirigindo até o parque nacional, que é o Grand Canyon National Park, o estabelecimento Grand Canyon West, que é uma área privada pertencente à tribo indígena Hualapai, é uma ótima alternativa. Fica a 2h de carro de Las Vegas, e dá pra fazer em um bate-e-volta pra quem visita a cidade do pecado. E é lindo! E você ainda passa pela icônica Hoover Dam, a represa tão famosa!

Se quiser ver o nosso roteiro de 2 dias em Las Vegas, curtindo hoteis cassino, acesse o nosso post também!



O vídeo acima é basicamente o mesmo conteúdo deste post, só que resumido, e bem animado, com muitas filmagens que fizemos do Grand Canyon. Além disso, tem apenas 5 minutos. Assista, vai curtir!

Neste post, teremos primeiro um mini-guia, e, depois, uma descrição de nossa experiência.

Mini-Guia

Qual é a diferença entre o Grand Canyon National Park e o Grand Canyon West?

Antes de mais nada, importante dizer que o Grand Canyon é enorme e dividido em North, South e West Rim.

Grand Canyon National Park

O Grand Canyon National Park é um parque nacional, ou seja, é público. É dividido em North Rim e South Rim, sendo que este último é aberto durante o ano inteiro.  É mais barato, e custa atualmente 35 dólares por veículo, e você pode ficar lá por 7 dias. É gigante, tem uma grande infraestrutura de trilhas, vilarejos, restaurantes e hoteis, e dá pra ficar dias por lá. É a melhor opção, porém fica a cerca de 5h dirigindo de Las Vegas, sem contar o tempo que você passa dirigindo lá dentro. Então é necessário tempo e disposição.

Grand Canyon West

Já o Grand Canyon West, por outro lado, que foi o que nós visitamos, e é o deste vídeo, é privado, pertencente aos índios Hualapai. Fica no West Rim. É mais caro, são 50 dólares por pessoa, em 1 dia só. Você não pode dirigir lá dentro, tem de pegar um ônibus deles. E tem menos atrações. Porém é lindo de morrer, de qualquer jeito. São apenas 2h dirigindo de Las Vegas ou de Phoenix, então é mais fácil fazer um bate-e-volta.

Tem gente que fala "ah, esse não é o Grand Canyon de verdade". Gente chata. Na verdade é sim, só que a porção oeste, que ficou na propriedade dos índios.

Qual devo ir, afinal?

Este post fala sobre o Grand Canyon West. A escolha depende do tempo que você tem. Se você está disposto a dirigir bastante, vá ao Grand Canyon National Park, porque é uma experiência mais completa. Agora, se quiser um bate-e-volta de um dia sem cansar muito, escolha o Grand Canyon West!

Tabela comparativa


Grand Canyon National Park Grand Canyon West
Natureza Público. Privado, pertencente a índios Hualapai.
Regiões North Rim/South Rim West Rim
Preço $35 por veículo, 7 dias $50 por pessoa, 1 dia
Tamanho Gigante Menos atrações
Distância 5h de Las Vegas 2h de Las Vegas ou de Phoenix

Como ir ao Grand Canyon West?

Sugiro alugar um carro em Las Vegas ou Phoenix e ir. É uma estrada muito boa, não tem terra, e você ainda pode parar na Hoover Dam e onde bem quiser no caminho.

Mas existem várias agências de turismo que também fazem o passeio partindo de Las Vegas. Mas sai caríssimo. Por exemplo, no site Get Your Guide, você consegue reservar o tour em um ônibus, incluindo a parada na Hoover Dam, por $119 por pessoa, e isso não conta o bilhete de entrada, que é de $50 por pessoa. Acesse aqui.

Quando ir?

Você pode ir em qualquer época do ano, mas esteja ciente de que, se for no verão, ou seja, de Junho a Setembro, vai sentir um calor dos infernos. Nós fomos no final de Junho e pegamos 40ºC por lá. E isso não é bom! Se eu pudesse escolher, iria no inverno.

Quanto custa?

Quando visitamos, em 2018, foram $50 por pessoa, 1 dia. Sim, é caro!! Mas compensa. Qualquer coisa, você sempre tem a opção de vender um "west rim" (risos). O ticket dá direito a entrar e sair do ônibus de transporte interno quantas vezes quiser, e parar nas 3 paradas principais do parque: Rancho Hualapai, Eagle Point e Guano Point.

Precisa comprar com antecedência?

Não precisa. Basta comprar na lojinha de conveniência no dia mesmo. Não tem limite de pessoas no Grand Canyon West. Mas esteja atento: os últimos ingressos são impressos 2h antes do horário de fechamento do parque.

De toda forma, se quiser comprar com antecedência, compre no site oficial.

Que mais posso fazer no Grand Canyon West?

Há opções de passeio de helicóptero, passeios no rio, tirolesa, dentre outros, todos pagos à parte, claro. Confira no site oficial todas as atividades extras disponíveis.

É muito cansativo andar lá?

Não. É bem tranquilo, e você anda bem pouco. O ônibus já te deixa logo na frente das atrações.

No entanto, sentimos falta de acessibilidade para cadeirantes, que nós vimos em todos os parques nacionais que visitamos. Sim, sei que este não é um parque nacional, mas... pensamos que seria um padrão. Simplesmente fica complicado para um cadeirante passar pelos lugares.

É possível se hospedar lá?

Sim, há hospedagem no Rancho Hualapai, dentro do complexo, que podem ser reservadas no site oficial.

Qual é o horário de funcionamento do Grand Canyon West?

Isso é importante. 7h da manhã até 7h da tarde, sendo que o último ticket é vendido às 4:30.

Quanto custa pra entrar na Hoover Dam?

Você pode passar lá de graça, porém normalmente não tem estacionamento, e aí você acaba tendo que pagar. Nós tivemos muita sorte e não pagamos.

O que devo levar nesse passeio?

Leve muita água. Sério. Muita. Água. Se estiver no verão, é imprescindível.

Relato

Ida de carro

Fomos de carro seguindo a estrada US-93 em direção à Hoover Dam. Basta ir seguindo essa estrada.
Detalhe que nós alugamos um carro conversível, mas quem disse que dava pra ficar com a capota aberta? Era simplesmente impossível. O sol tava de rachar! Verão no deserto não é nada fácil!

Mirante do Lake Mead

Passa-se por Boulder City, e, então, a primeira parada foi um mirante do Lake Mead, que é o lago artificial gerado pela barragem. É o maior lago artificial dos Estados Unidos, e serve de reservatório para abastecer os Estados de Nevada, Arizona, Califórnia e até parte do México, e isso inclui cerca de 20 milhões de pessoas!
Adoro o contraste do azul do lago com o Deserto e o céu. Belíssimo!

Hoover Dam


Seguimos para a Hoover Dam, ou a Represa Hoover. A temperatura beirava os 40°C, tenso!

Construída na época do presidente Roosevelt e nomeada em homenagem ao presidente Herbert Hoover, ela é considerada um Marco Histórico Nacional e o maior projeto dos Estados Unidos, e não é pra menos: é massiva!

Demos uma cagada monstra e, assim que chegamos lá, encontramos uma vaga no estacionamento gratuito. Incrível! Isso é muito raro!
Curiosidade: de um lado da represa é o estado de Nevada, e do outro é o Arizona.
Saímos e encontramos um casal de brasileiros, olha só, é o tipo de coisa que você não acha nos Estados Unidos. Conversamos um pouco e depois andamos um pouco pela Hoover Dam, observando as suas duas torres (uma delas no estado do Nevada e outra no de Arizona!, bem como o seu enorme paredão que serve como barragem. É tipo enorme mesmo. Você passa a ter melhor noção indo pessoalmente.
Mas, gente, pelo menos no verão, não tem condições de andar por muito tempo perto do meio-dia. É de MORRER. Tava desejando pelo amor de Deus água e mais água, quanto mais água melhor. E o pior: deu uma vontade forte de ir ao banheiro. O banheiro feminino era do lado em que estávamos, Liliam se deu bem. Já o banheiro masculino era lá do outro lado. Sofri. Como eu sofri andando até o banheiro, naquele solão indigno. Mas deu certo.

Grand Canyon West

Chegando no Grand Canyon West

Assim, seguimos logo para o Grand Canyon West. O caminho é belíssimo e cheio de cactos!  Até paramos em uma entrada de uma trilha. Existem várias trilhas por lá no meio do deserto. Porém existem placas bem intimidadoras, dizendo "cuidado, cobras!". Ah, mas tenho medo de cobra nada. O único motivo por que eu não faria aquela trilha era por causa do sol rachando, claro.

Na entrada, você deve deixar seu carro e pegar um ônibus circular que tem três paradas. Os ingressos podem ser comprados na loja de conveniência. Tem também uma loja de conveniência em que você pode comprar alguns lanches, snacks e bebidas para levar.

Rancho Hualapai

Pegamos o ônibus. A primeira é o Rancho Hualapai, onde há uma cidade ao estilo do velho oeste e atividades recreacionais.

Nós não descemos porque conhecemos uma autêntica cidade do velho oeste a dois dias atrás, a Calico Ghost Town (veja o nosso post!) e estávamos mais interessados em curtir o Grand Canyon em si. Porém, se tiver tempo, é uma boa pedida.

Eagle Point

A segunda parada é o Eagle Point. Ele é assim chamado porque tem uma pedra com um formato de águia à vista, para os bons observadores.

E aí, você consegue ver a águia na imagem?

É o primeiro contato que você vai ter com o Grand Canyon e toda a sua magnitude inacreditável, mas ainda não vai conseguir ver o rio colorado! Se tentar chegar na pontinha, vai ter um guardinha pra te chamar a atenção, e não é pra menos, já que a queda seria terrivelmente, terrivelmente trágica!

É lá também que você pode obter, à parte, acesso ao Skywalk, que é essa passarela de vidro suspensa. É caro, então não fomos, mas para os corajosos e com mais dinheiro disponível, acho que compensa. Além disso, a parada tem lojinhas e restaurante.
O Grand Canyon West é uma propriedade privada de uma tribo indígena Hualapai. Então, nesse ponto, você também pode conferir um autêntico vilarejo indígena, com direito às cabaninhas típicas bem do jeito deles mesmo, bem simples, quando os índios Hualapai, Navajo, Plains, Hopi, Havasupai andavam por essas terras. Passamos por lá, entramos dentro das casinhas e curtimos bastante, é um negócio diferente.

Guano Point

A terceira parada é o Guano Point. Essa é, de longe, a parte mais impressionante do Grand Canyon West. Tem esse nome porque foi descoberta ali uma caverna de guano, que um fertilizante, e, neste caso, tinha altíssimo nível de qualidade. Nesse ponto, você vai ter uma visão 360º do canyon.
Recomendo muito que se siga em direção ao morro que você vê na imagem. Vai poder visitar o que restou das instalações de mineração de guano, além de ser a primeira vez em que você consegue visualizar o Rio Colorado passando lá embaixo, que foi o grande responsável por esculpir esse visual todo. É uma profundidade de quase 2km, então imagina! É uma visão pra se guardar pro resto da vida.
Beba um bom líquido e suba o morro, porque é lá que você vai ter a oportunidade de girar em torno de si mesmo e apreciar essa visão inacreditavelmente bela.

Fomos expulsos, porque o parque estava fechando, e tivemos que ir embora. Sentindo o prazer de uma excelente visita.

Volta de carro

Na volta de carro, pudemos notar duas coisas bem legais: um lindíssimo pôr-do-sol, e um céu pra lá de estrelado. Pois é! Além disso, conseguimos abrir as capotas, mas não significa que o vento que passava do lado de fora do carro era gelado... Pelo contrário, era um bafão tenso. E assim terminamos a nossa aventura do dia!

Logo da S2Station